top of page
teamwork-making-online-blog.jpg

Iluminação Digital: Internet das Coisas, Inteligência Artificial e Casas Inteligentes

O que significa IoT?

Iot é a sigla para Internet das Coisas, e se refere a uma revolução tecnológica que tem como principal finalidade a interconexão digital de objetos do dia a dia com a Internet. Dessa maneira, com o objetivo de aproximar o digital do físico, forma-se uma rede de itens que se unem e transmitem dados. Essa ideia é perceptível através dos eletrodomésticos, meios de transporte, roupas e maçanetas conectadas à Internet e outros dispositivos, como computadores e aplicativos de celular.


O que é Inteligência artificial?

Podemos definir, da forma mais simples possível, que Inteligência Artificial (IA ou AI) é a capacidade das máquinas de pensarem como seres humanos. Ou seja: a capacidade de aprenderem, identificarem problemas e tomarem decisões de forma racional. Esse mecanismo está presente em muitas situações do nosso cotidiano, como nos servidores de e-mail, por exemplo. Você já parou para pensar como o Gmail determina se algum e-mail é ou não um spam?

A IA auxilia na construção de um cotidiano mais prático e moderno. Ao contrário do que se pensava anteriormente, quando a tecnologia ainda não estava tão acessível, os robôs não chegaram para roubar os trabalhos humanos. O principal objetivo é auxiliar o ser humano a ser cada vez mais humano. Ou seja, ao eliminar atividades que são executadas por rotina e não requerem pensamentos ou ações sentimentais, as pessoas têm mais tempo para se dedicarem a momentos que as fazem bem, como estar com a família, cuidar da saúde ou fazer um jantar com os amigos.


Casas inteligentes

Desde que as casas inteligentes come­çaram a surgir em 2000, o conceito evoluiu e agrega mais a cada dia que passa. A casa conectada nos dias de hoje possui avançados sistemas de auto­mação para o monitoramento e controle de praticamente tudo. Entre os básicos, podemos citar os controles de temperatura, multimídia, portas e janelas. Com o avanço do wifi nos últimos anos, a casa foi incorporada a uma rede de comunicação. Ela liga aparelhos elétricos e serviços essenciais, permitindo que todas as funções sejam controladas remota­mente, monitoradas e acessadas. Com esse upgrade, as casas conectadas passam por per­manentes feedbacks a fim de tomar decisões em tempo real sobre tudo o que acontece em seu ambiente.

Além dos comandos de voz, a casa inteligente pode ser acionada por aplicativos dos smartphones ou dispositivos instalados na casa. Um exemplo é a equalização da temperatura do ar-condicionado (para mais frio ou quente), que depende da temperatura externa ou das coordenadas predefinidas pelo morador. A iluminação é uma das funções primordiais dessa tecnologia: a regulagem de luz de cada ambiente, luminária ou lâmpada, em diferentes cenas no decorrer do dia, contribuem para a redução do consumo de energia.

Nos dias de hoje, essa tecnologia se aprimorou com o advento da Internet das Coisas. Esse avanço tende a prosseguir com inúmeros aplicativos à disposição no mercado, visando uma melhor adaptação ao estilo de vida de cada morador.

Revolução da utilidade da Inteligência Artificial

Esse cenário ainda passará por uma nova revolução: num futuro bem próximo, a Inteligência Artificial deverá assumir as funções da(o) dona(o) de casa tradicional. Segundo uma pesquisa realizada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), o trabalho doméstico tira 1,5% dos homens do mercado de trabalho, e 21,7% das mulheres. Podemos dizer, que, nesse caso, a tecnologia estará à serviço, principalmente, de 640 milhões de mulheres no mundo inteiro que poderão investir na carreira profissional, ou em atividades acadêmicas, se libertando da jornada doméstica.

Mesmo com todas essas inovações, a casa conectada ainda é um projeto emergente, acessível a uma pequena parcela da população: mas a tendência é evoluir rapidamente e se popularizar nos próximos anos.


As próximas inovações das Casas Inteligentes

À medida que a Inteligência Artificial se desenvolve, as opções para o que pode ser automatizado ou observado em uma casa continuam a crescer. A Forbes Technology Council estabeleceu suas próprias previsões sobre quais serão as próximas inovações das smarts houses.


Padronização

Conforme aumenta o número de plataformas e dispositivos disponíveis no mercado, a integração e vinculação entre eles passa a ser um problema para o usuário das casas inteligentes. Os fabricantes de dispositivos domésticos inteligentes precisam garantir que seus produtos funcionem em plataformas fornecidas por Amazon, Google, Samsung e Apple, para atingir uma maior base de clientes. Dessa forma, a tendência é que essas grandes empresas se unam e elaborem um conjunto de padrões para facilitar a integração.


Aprendizado de máquina

A partir do momento em que mais dispositivos utilizam o aprendizado de máquina, visão por computador, processamento de linguagem natural e outras tecnologias de inteligência artificial, as possibilidades aumentarão muito. As casas não irão ser somente programáveis, mas poderão se adaptar ao comportamento dos habitantes, com base na replicação e observação dos seus atos. Além disso, essa tecnologia permitirá que o usuário defina suas próprias ações e fluxos. Ao dizer “quero relaxar”, a casa irá diminuir a intensidade da iluminação, fechar as cortinas, e até tocar a música favorita do morador.

Inteligência artificial aliada à saúde

Através da IA, poderão ser previstos os desejos dos moradores, aliando-os ao monitoramento dos níveis de atividade, qualidade do sono e nutrição, por exemplo. Toda a casa “sentirá” o bem-estar de seus ocupantes e poderá salvar suas vidas em caso de qualquer intercorrência anormal.


Robôs ajudando em casa

Apesar de já visualizarmos alguns exemplos, como os aspiradores de pó robóticos e os cortadores de grama, essa tecnologia deve ser cada vez mais aprimorada e utilizada nas casas. A ideia é que as máquinas auxiliem os moradores nas tarefas de rotina, propiciando a eles um tempo maior para outras prioridades, como dar atenção à família, cuidar de si próprio ou realizar atividades físicas.


Maior velocidade de Internet

O acesso a redes mais velozes significa melhores recursos de processamento de dados e nuvem. Por isso, com a implantação global do 5G – que, inclusive, permite a prestação de serviços de IoT sem fios e cabos -, e da tecnologia de wifi aprimorada, mais dispositivos podem ser conectados, além de aplicativos mais sofisticados, que utilizam fluxos de dados maiores e mais rápidos. Dispositivos como termostatos inteligentes e sistemas de segurança automatizados terão acesso a informações mais variadas e atualizadas, com as quais fazer as previsões de sua utilidade.


Exemplo prático: LIGHTSENSE

Para disponibilizar cada vez mais novas formas de se relacionar com a luz, a Brilia uniu toda a sua expertise em tecnologia LED à inteligência digital para criar um lançamento que inaugura uma nova era na presença das casas inteligentes: LightSense, a mais inovadora tecnologia de controle de iluminação por Wi-Fi. Composta por dispositivos que são instalados diretamente no circuito de luz e conectados à internet, LightSense permite personalizar toda a iluminação dos mais diferentes ambientes e locais.

O objetivo é engrandecer a relação das pessoas com a iluminação: é uma mão dupla. A luz muda tudo, e as pessoas mudam a luz. Com Lightsense é possível personalizar a iluminação, transformando ambientes, criando cenários exclusivos, com personalidade e conceito próprios. Além disso, garante-se uma maior sustentabilidade, principalmente com o uso de lâmpadas LED. Considerando a alta tendência ao home office, atenuada pela pandemia do novo coronavírus, a iluminação tem um papel importante na construção de locais multidisciplinares em casa, auxiliando no processo de adaptação dessa nova forma de enxergar o trabalho.

A Euromonitor International realizou uma pesquisa para entender a adesão de sistemas inteligentes de controle de iluminação, comparando as gerações: Baby Boomers (nascidos em 1946 – 1964), X (1965 – 1980) , Y (1981 – 1996) e Z (1996 – 2010). Pode-se perceber o aumento do interesse por essa tecnologia, principalmente quando se trata do público mais jovem. É a prova de que o futuro das casas tende a ser diferente – automatizado e facilitado -, com consciência sobre o consumo de energia e sustentabilidade. Confira:

Com essa nova tecnologia é possível criar cenas diferentes nos mesmos ambientes, para cada ocasião.” CEO da Brilia, Vinicius Marchini.

Fácil instalação

Composta por dispositivos que são instalados diretamente no circuito de luz e conectados à Internet, LightSense permite personalizar toda a iluminação dos mais diferentes ambientes e locais. Potencializando os recursos digitais e luminotécnicos que o consumidor usa no seu dia a dia, a tecnologia conta com uma programação moderna e intuitiva.

A tecnologia LightSense foi totalmente projetada, desenvolvida e produzida no Brasil pela Brilia e parceiros especializados. Os dispositivos são compatíveis com o portfólio Brilia de lâmpadas, luminárias e fitas LED.


A tecnologia LightSense marca um novo momento da Brilia. Contribuímos muito para o mercado nessa primeira década e, agora, vamos além com o desenvolvimento de soluções inteligentes que potencializem a presença e os recursos da tecnologia LED. Queremos cada vez mais colocar o poder transformador da luz nas mãos das pessoas.” CEO da Brilia, Vinicius Marchini.

O App Brilia LightSense está disponível nas principais plataformas de aplicativos, como a App Store e Google Play.

11 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Procurar por tags
Nenhum tag.
Posts Recentes
bottom of page